Logotipo Marina Almeida

Não existe negócio de sucesso que não implique autoconhecimento!

Existe um erro comum que é separar o negócio da pessoa, do empreendedor!

Sendo que os negócios são feitos por pessoas, sendo que quem está à frente do negócio a definir tudo (objetivos, investimento, rumo do negócio…) é uma pessoa, então não podemos nunca separar Negócio da Pessoa que é o empreendedor/dono do próprio negócio!

Posto isto, e bem entendido que estamos acerca da importância da pessoa que é o empreendedor, vamos agora falar de como o grau de autoconsciência e conhecimento pode influenciar na tomada de decisões do negócio e no rumo do mesmo.

Vamos às raízes, todos fomos um dia crianças. Todos crescemos no seio de uma família. Todos temos uma origem e essa origem influenciou e muito (muito mais do que possam pensar) naquilo que cada um de nós acredita. A imagem da realidade que vemos enquanto adultos é em muito influenciada pela nossa infância. Não vou trazer aqui os artigos científicos desta temática, mas convido a que possam explorar mais acerca do tema.

E neste seguimento, muito das crenças que hoje temos foram influenciados (e até ditadas) pelo que vivenciamos em criança, e essas crenças influenciam na tomada de decisão do negócio.

A forma como os pais/educadores vivenciavam a questão do dinheiro, é a forma ficou incutida em cada um de nós, e ficaram como sendo as verdades sobre o dinheiro.

Se viu os pais ou avós a perder tudo num negócio, muito dificilmente essa imagem sai da cabeça, o medo ficou instalado. Inconscientemente o medo de perder tudo pode vigorar e na hora de tomar decisões de investimento no negocio pode surgir em grande escala ansiedade, dificuldade em tomar essa decisão e oportunidades serem perdidas.

Se por ventura na tua infância viveu muito falhas de dinheiro com frequência, ainda que não conscientemente o medo de “não ter o suficiente “vigora e no negócio geralmente isso implica decisões que baixam o preço dos produtos /serviços.

Algumas crenças que podem ser desenvolvidas são:

a- o dinheiro não é importante. De notar que um negocio existe para dar lucro, caso o posicionamento seja este , de que o dinheiro não é importante, é o mesmo que dizer que o negocio no precisa gerar dinheiro, lucro. Isto é uma contradição.

b- investir é para ricos. Este tipo de crença limita muito o negócio sendo que negócio implica quase sempre realizar investimento, assumir riscos financeiros. Esta crença vai travar a racionalidade nesta temática e toma conta o corpo emocional fragilizado.

c- o dinheiro faz mal, não é bom. Esta é uma crença similar à primeira, e vai colocar o empreendedor a rejeitar recebimento e na forma de negócio pode traduzir-se em acumulo de dividas pro parte dos clientes, em não saber cobrar, em não saber precificar adequadamente o seu produto/serviço.

d- dinheiro só se obtém através da desonestidade. Esta crença é muito perigosa, não só por não ser verdade mas ainda mais porque vai colocar o empreendedor numa situação de rejeição grande do mundo dos negócios, mundo este onde a moeda de troca é dinheiro.

e- prefiro ser feliz a ter dinheiro. Esta crença é absolutamente fora de qualquer verdade. É possível ter as duas coisas e jamais precisa de escolher entre uma ou outra.

Agora, noutra vivência, por exemplo um ambiente na infância em que rejeitavam as suas ideias, irmão ou irmã mais nova e em que todos achavam que não era o mais inteligente, ou o que tinha melhores notas, ou sendo aquele irmão que não se achava que ia levar muito bem na vida…ao chegar a  idade adulta com alguma sensação de que não tem o devido valor, e por isso o  negocio vai refletir isso mesmo. Não vais saber valorizar o teu negocio como é devido e os clientes vão percecionar isso , e ninguém quer comprar algo que tem pouco valor…por isso mesmo o valorizar o que se vende é o primeiro passo para ter um negocio de sucesso.

E por aqui vai…poderia continuar a escrever acerca de crenças que todos temos e que influenciam o negocio. Com este artigo pretendo trazer este tema, pretendo aumentar a consciência de que as crenças que temos influenciam os negócios e por isso mesmo precisamos trabalhar (e muito) nestas questões. Como? Através do autoconhecimento.

O autoconhecimento nos negócios, é um pilar da mentoria que dou. Na mentoria falo muito de negócios, de vendas, de preço, de faturação, de objetivos e metas e falo muito de quem é o empreendedor por detrás disto tudo. 

Em primeira instância, se eu perceber que é preciso trabalhar algumas crenças é por aqui que começo!

No mundo dos negócios, nunca sentiu falta de confiança, teve medo de errar ou ser julgado? Muitas vezes os empreendedores tímidos têm inúmeros pensamentos e medos… 

Várias dicas podem ajudar a ultrapassar essa timidez:

O que sente? O que acha que está a impedir de dar o próximo passo no seu negócio? De que forma a timidez o “bloqueia” na conquista dos seus objetivos profissionais? Questione-se regularmente, explore melhor as suas forças e fraquezas. As caraterísticas mais relevantes da sua personalidade. Pense como agiria se não fosse uma pessoa inibida. 

Ao trabalhar o seu autoconhecimento de forma constante, consegue, ao longo do tempo, reconhecer as suas competências e capacidades, fortalecendo assim a sua autoconfiança. Desta forma vai conseguir estar preparado para superar a timidez, dando um passo em frente na definição das suas estratégias e resultados de negócio.

Aceite-se como é, procure as ferramentas que o façam sentir bem e que o deixem confortável no seu negócio.

Não tem que fingir ser uma pessoa que não é. Ser tímido faz parte da sua personalidade e está tudo bem. Não há problema em ser assim. Se se fizer “passar” por alguém que não é, vai ficar frustrado e em sofrimento. E isso não vai mudar nada. 

Olhe para si mesmo e perceba de que forma pode lidar com essa dificuldade, analise os recursos internos que o ajudarão a “enfrentá-la”.  Acredite que, adotando essa postura, ficará mais à vontade e conseguirá acreditar que vai mais além. 

É difícil falar para desconhecidos? Então ponha-se no lugar deles e pense, principalmente, na mensagem que quer transmitir. Pense na forma de fazer a diferença na vida daquele negócio. De como o pode ajudar a crescer, a chegar aos resultados pretendidos. Não tenha medo de falar em público. Tente aproximar-se das pessoas e de lhes mostrar o seu ponto de vista.

Ajudam a reforçar a autoconfiança, a descontrair e a ter ideias para o seu negócio. Desafie-se constantemente, arrisque a fazer o que mais receia. Seja positivo e mostre-se disponível e interessado em aprender, escutar, melhorar e pedir ajuda quando achar que faz sentido e que é necessário. 

Se seguir as minhas dicas e mostrar paixão, o seu negócio vai crescer e passar ao próximo nível. Vamos juntos até lá? 🚀

BeMotion Digital © 2022 MARINA ALMEIDA - ALL RIGHTS RESERVED / Termos e Condições /  LEIA A NOSSA POLÍTICA DE PRIVACIDADE