Logotipo Marina Almeida

Quem já é empreendedor vai identificar-se com os medos e receios que vou abordar. 

Para quem está a pensar empreender é importante saber que são medos e receios ultrapassáveis, e que com o apoio certo não vão bloquear o vosso sonho! Asseguro-vos!

Primeiro dizer que todos os receios são muito válidos, e que depende da história de cada pessoa, da história familiar de cada um, da forma como sentiu todas as suas vivências, de quem é na sua essência .

Por isso, antes de tudo não se sintam sozinhos/as nesta caminhada de criar o vosso negócio, e de reconhecer e ultrapassar todos os medos que surjam. E peçam ajuda sempre que sentirem que estão bloqueados. 

Pedir ajuda é para os fortes! 

Empreender é para os fortes!

Neste artigo vou abordar o receio de não conseguir rendimento através do negócio recentemente criado, ou de não conseguir estabilidade financeira.  Para alguns de vós este medo bloqueia, para outros ainda que possa não bloquear vai trazer dias de dores de cabeça que poderão ser evitados.

Vamos ver como podemos minimizar ou gerir melhor este receio:

1. Existem estratégias comprovadas para realizar teste dos seus produtos/ serviços ao mercado antes de se atirar de cabeça; são estratégias muito estruturadas e que conferem resultados relevantes na hora de decidir avançar (ou quando deve avançar) com mais certezas e fundamento que o negócio terá "pernas para andar";

2. Não sou apologista de trocar o certo pelo incerto, só assim na esperança e fé sem mais nada! Por isso o ideal será para além de fazer testes ao mercado antes do lançamento, fazer crescer o seu negócio  nas primeiras fases juntamente  com outra fonte de rendimento até que chegue a uma situação que lhe confere segurança financeira para "dar o salto"; vai existir uma fase que o negócio que está a criar precisará dedicação exclusiva,  mas até chegar a esse momento já muito das suas inseguranças financeiras foram ultrapassadas!

3. Viver com uma mentalidade de abundância (não me refiro só a dinheiro), vibrar em modo de 'abertura a receber', são conceitos que deve conhecer cada vez melhor;

4. Trabalhar no seu desenvolvimento pessoal alguns dos seus receios no que respeita ao que é a estabilidade financeira e ao que isso significa para si, na sua história de vida e história familiar/genética vai ajudar muito;

5. Conhecer cada vez melhor a linguagem de negócios,  de criação de negócio próprio,  de estratégias de lançamento para cada fase da vida da sua ideia/negócio.  Quanto mais perceber desta linguagem, mais poderá ter a sua visão crítica e sentir-se mais seguro.

6. Acompanhar casos similares. Todas as histórias são diferentes mas têm muitos pontos comuns, que podem ajudar a ampliar a sua visão de como obter a tal segurança/ estabilidade financeira.

E por fim,  quero só dizer que ao empreender pode ter todas as possibilidades de criar a sua vida financeira ao nível que desejar.  Claro, seguindo fase a fase e subindo cada degrau da escada para que o crescimento seja firme, estruturado e certo!

Vamos “driblar” este receio?

Não existe mais nem menos do que estratégia no negócio. É mesmo assim! Por isso antes de tudo pergunto:

Qual a estratégia para o seu negócio?

Para que possa responder a esta pergunta existem pelo menos quatro perguntas que deve fazer:

  1. Em que fase de desenvolvimento o seu negócio está?
  2. Como pode acrescentar valor aos seus clientes?
  3. Os processos internos estão otimizados? Ou está em fase de inovação?
  4. Quais são os resultados financeiros atuais?

Vamos abordar aqui um ponto, é muito relevante. 

Se um negócio se encontra numa fase de desenvolvimento (ou até mesmo lançamento) a estratégia a adotar é a de crescimento. E neste caso, sendo esta a fase em que o seu negócio está, algumas decisões devem ser tomadas:

Se o seu negócio já se encontra maduro neste caso outro tipo de decisões deve tomar:

Com este texto gostava que ficasse claro para si empresário que os resultados do seu negócio vão ser uma consequência da implementação da estratégia certa para o seu negócio!

Agora vamos tocar noutro ponto: na implementação da estratégia.

Tão relevante quanto a definição de estratégia é a sua implementação. Aqui igualmente é preciso definir:

1. Timings

2. Outputs de cada fase 

3. Coordenação

4. Avaliação 

5. Reajustes

Existe um ciclo de vida definido para se obter os resultados da implementação da estratégia: os resultados em vendas, número de clientes, aumento do ticket médio, autoridade.

Em 12 semanas conseguimos revisitar todo o seu negócio! As primeiras 3 semanas dedicamos à definição e implementação da estratégia na perspectiva financeira , aqui definimos objectivos a médio e longo prazo; depois as próximas 3 semanas estamos a olhar o seu negócio do ponto de vista do cliente; a seguir vamos colocar a lupa nos processos e optimizar de modo a tornarem-se rentáveis; não esquecendo de fornecer todas as skills necessárias a uma gestão eficiente do seu negócio.

O apoio na implementação é ouro!

Tudo pode estar muito bem definido mas se não implementar de forma consistente e persistente, o resultado pode ser nulo.

Em resumo,

1 Precisa identificar em que fase o seu negócio está;

2 Precisa definir a estratégia nas 4 perspectivas essenciais;

3 Precisa implementar essa estratégia;

4 Analisar e reajustar. 

Estávamos em 2003 e ninguém falava acerca de teletrabalho, ou trabalho à distância e muito menos negócios online. Estávamos em 2003 e os negócios eram (quase) todos com presença física e jamais alguém pensava em reunir à distância. O mundo mudou! Mas nem todo o mundo mudou.

“Estudo revela que 64% das PME europeias ainda não otimizaram totalmente os seus negócios para o trabalho híbrido”

“Muitas PMEs europeias continuam a lutar para superar os desafios do trabalho híbrido, com dois terços (64%) ainda a otimizar totalmente as suas soluções informáticas para tal”. (Fonte: Expresso)

Tecnologias de informação, infraestruturas de cibersegurança, cloud, plataformas para reunir à distância, e-mail marketing, e-commerce, infoprodutos... terminologia que pode ser muito comum para si que me está a ler, mas para 64% das PME’s é uma terminologia desafiadora. E como tudo na vida, as coisas têm sempre dois lados da mesma moeda, tudo aquilo que é desafiador traz consigo oportunidade.

E é sobre estas oportunidades que quero falar, é sobre o facto de os negócios terem oportunidade para se reinventarem, poderem crescer em volume de negócios de forma que jamais pensaram (num quadro económico atual desafiador é certo), negócios relacionados como cibersegurança terem a oportunidade de ver a sua voz refletida em orçamentos mais abastados, como forma de garantir toda uma segurança outrora suportada em arquivos físicos e fechado a “7 chaves”, oportunidades de novos negócios de freelancers de forma a capacitarem estas empresas para um know-how mais digital se lhe pudermos chamar assim.

Nunca como agora existiram tantas oportunidades num mundo cada vez mais digital, sendo certo que até mesmo o contexto mundial – aumento do preço de inúmeras matérias primas, bem como contexto de distribuição (terreste ou marítimo) – dá “puxão” para a reinvenção dos negócios através de plataforma digitais.

E para termos uma ideia de números,

“Guia das PMEs para Tornar Híbrido Permanente”, encomendada pela Dynabook Europe GmbH em parceria com a Walnut Unlimited, sondou 1.200 decisores de TI em PMEs em todo o Reino Unido, França, Alemanha, Espanha, Holanda, Bélgica e Itália, indica que 44% das PMEs a revelaram que estão a beneficiar de um aumento do orçamento de TI este ano, sendo que as três principais áreas de prioridade para o investimento em TI nos próximos 12 meses incluem infraestruturas de cibersegurança (46%), soluções baseadas na cloud (46%) e apoio/assistência remota em TI (44%). Equipar os funcionários com dispositivos é também uma prioridade de investimento popular (40%). (Fonte: Expresso)

Dentro de sensivelmente 3 anos, arrisco o ano de 2026, e arrisco-me a dizer que quer os desafios, quer as oportunidades nos negócios vão ser iguais (entre aspas, claro) ao ano de 2022. Tecnologias de informação, negócios de e-commerce, negócios online... continuarão na ribalta!

Liderar não é mandar, é assumir responsabilidade pela direção e pelo comando levando as suas equipas motivadas a um resultado com sucesso! 🎯

Algumas ferramentas são necessárias para que lidere com bons resultados:

1. Flexibilidade: as mudanças de rumo, de estratégia, de mercado podem suceder repentinamente e é bom que esteja preparado para fazer alterações rápidas, quando necessário. É bom que tenha um foco, uma direção, mas que ao mesmo tempo seja flexível para alterar o que definiu em prol de um melhor resultado. Nem sempre é fácil dar “o braço a torcer” e seguir por outro caminho que não o que achava que deveria seguir; nem sempre é fácil abrir mão das suas ideias. Geralmente pessoas seguras de si mesmas também são firmes nas suas decisões e ideias, só que neste caso é bom que encontre um meio termo entre firmeza e flexibilidade (ou adaptabilidade a mudanças); 

2. Conhecer a sua equipa: O melhor trunfo que tem é a sua equipa. É sobre a sua equipa que tudo acontece, e por isso é muito importante conhecer os vários elementos da equipa que tem a seu cargo. Existem inúmeras ferramentas que permitem conhecer as características, os pontos fortes de cada elemento (desde team building, ferramentas de PNL – Programação Neurolinguística) e o segredo é usar o melhor de cada um. Não cometa o erro que muitos antes já cometeram de tentar melhorar os pontos fracos de cada elemento da sua equipa, pelo contrário tente mesmo é potenciar os pontos fortes de cada elemento e naturalmente os resultados dessa equipa vão melhorar. Com melhores resultados, a liderança pode ser mais assertiva;

3. Antecipação de cenários: Ainda que não possa ter uma varinha de condão, antecipar cenários é importante. Existem ferramentas de estratégia precisa, que permitem perceber quais são os vários caminhos possíveis dentro de vários cenários. Estas sessões estratégicas são fundamentais para estar preparado para efetuar mudanças rápidas e não “perder o comboio” quando o mercado lhe der a volta. Ter um conjunto de caminhos possíveis vai permitir uma tranquilidade no seu negócio, e uma melhor liderança;

4. Autoconhecimento, quanto mais e melhor se conhecer a si mesmo, melhor vai conseguir gerir situações de stress com assertividade; e quando isso não for possível mais rapidamente entra no caminho “certo” da liderança do seu negócio. É importante saber os pontos gatilho e que o fazem transbordar, e onde se sente mais confortável. E para todas as situações que despertem em si mais stress, nervosismo e ansiedade seguramente o autoconhecimento vai ajudar a obter ferramentas para lidar com estas situações, e liderar com ainda mais confiança.

Seja o líder que todos querem naturalmente seguir pelo exemplo e leve o seu negócio ao próximo nível de resultados! 🚀

BeMotion Digital © 2022 MARINA ALMEIDA - ALL RIGHTS RESERVED / Termos e Condições /  LEIA A NOSSA POLÍTICA DE PRIVACIDADE